sábado, 8 de dezembro de 2007

Toquinho e Vinicius - O Poeta e o Violão - 1975






Esses dias ganhei este vinil de presente do meu parceiro de espécie, o cavalo xucro, e resolvi pastá-lo para mostrar como um disco tão simples pode ter tanta qualidade.
Trata-se de um álbum gravado em apenas 4 horas, num estúdio em Milão, na Itália, em um clima de total descontração, onde quase todas as músicas são dedicadas a parceiros desta tão famosa dupla. Toquinho, a essa altura com 29 anos de idade, mostra o que é tocar violão de verdade, com execuções que fazem qualquer violonista repensar se deve continuar tocando ou não. Já Vinicius, com 62 anos, apresenta todo seu lado poético, seu lado triste, sua pungente melancolia em virtude das tantas decepções amorosas, o que faz com que esse disco seja tão profundo.
São apenas 3 canais de gravação onde o violão se encontra no meio, a voz de Vinicius na esquerda e a voz de Toquinho na direita, exceto na faixa “O Velho e a Flor” onde há a participação especial de um maestro que toca piano, também no meio.
O disco começa com a famosa canção “Tristeza”, de Haroldo Lobo (falecido em 20/07/1965) e Niltinho. A segunda faixa, que na minha opinião é uma das melhores, é “A Marcha da Quarta Feira de Cinzas” parceria do Poetinha com Carlinhos Lyra, membro de fundamental importância na bossa nova e que ainda continua conosco.
Na seqüência vem “Morena Flor” composta pela dupla em Mar Del Plata, dedicada a uma das ex-mulheres de Vinicius, “Chega de Saudade” (Tom Jobim e Vinicius), “Dora” (Dorival Caymmi, que nessa época já tinha cabelo branco), “Canto de Ossanha” (Baden Powell e Vinicius) e “Rosa Desfolhada” (Toco e Vina).
O lado B do disco começa com a famosa “Berimbau”, de Baden e Vinicius, seguida por “Januária”, de Chico Buarque e “Insensatez”, de Vinicius e Tom Jobim (este último falecido em 08/12/1994). Na seqüência uma das melhores músicas feitas por Vinicius e Baden (morto em 26/09/2000), na minha opinião a melhor faixa deste disco, uma verdadeira pérola da nossa música popular, com uma letra que retrata o que é Vinicius de Moraes, uma canção realmente muito triste e melancólica chamada “Apelo”. Depois vem “Garota de Ipanema”, “O Velho e a Flor” e termina com uma interpretação de “Nature Boy”, de Eden e Ahbez, única cantada em inglês.

Realmente um disco muito especial desta dupla que viajou tantas canções juntos. Gravado ao vivo, em pouco tempo, sem frescuras e perfeccionismos, sem tecnologias especiais e truques de estúdio, na macheza, num clima chegar, tocar e ir embora. Às vezes fico pensando que tem artistas e conjuntos que levam mais de um ano ou dois para terminar um disco; este precisou de apenas quatro horas. É brabo isso daí..

Antonio Pecci Filho, o Toquinho, nasceu em 06/07/1946, em São Paulo. Estudou violão clássico desde os 14 anos, gravou mais de 50 discos ao longo de sua carreira, fez parcerias com muitos artistas da nossa MPB, mas a principal delas, sem dúvida foi com Vinicius, uma parceria que durou 11 anos e rendeu 120 canções, 25 discos e mais de 1.000 shows.

Marcus Vinicius da Cruz de Mello Moraes, o Vinicius de Moraes, ou ainda o Poetinha, o Vininha, o Vina, enfim, este grandioso poeta nasceu em 19/10/1913, no Rio de janeiro. Foi diplomata, jornalista, poeta e compositor. Sua obra é vasta, passando pela literatura, teatro, cinema e música. No campo musical, o poetinha teve como principais parceiros Tom Jobim, Toquinho, Baden Powell e Carlos Lyra.

Nos últimos dias da vida de Vinicius, em uma entrevista, alguém lhe perguntou se ele estava com medo da morte. Ele respondeu:
– Não meu filho, eu estou é com saudades da vida.

Vinicius de Moraes morreu em 09/07/1980.







5 comentários:

XUCRO disse...

CHICAVALO74!!!!
Sem dúvida este disco prova, mais uma vez, que na vida ( em toda sua dimensão) o dificil é ser simples.
Superar esta BOSTAGEM, será sem medo, uma cavalgada sem fim...
ESTE DISCO = QUATRO PATAS NUS PEITO.
IRRURRURRURRUUIIIIIIIII

Rocinante disse...

"AMIGUS EQUINUS":
O NÍVEL DAS BOSTAGENS ESTÁ CHEGANDO NUM NÍVEL DE EXCELÊNCIA ABSURDO.
PARABÉNS E OBRIGADO POR ESTA "PÉROLA", COMO DIZ O REPÓRTER E APRESENTADOR DO PROGRAMA DAS SETE.
REALMENTE, ESTE DISCO É UMA PATADA.
MAS VAMOS CAVALGANDO QUE UM DIA A GENTE CHEGA.
RELINCHOS A TODOS.

vicente disse...

Bah! ó só o que os equinos emepebozos estãvam falando na hora que tiraram a foto da capa! XXIII!

Bodãvalo disse...

Graças a Deus descobri isso!!!

PS: claro que o Chico ajudou

Leonardo Prado disse...

po, ta mal o link ae, se der pra arrumar.
gracias!!!